Busca
    >Trabalhos

>Matérias   

Livros   Home Page  •  Ausculta  •  Piadas  •  Enviar Trabalhos  •  Fale Conosco  •  Mapa  •  Quem Somos

 
Vias Aéreas e Ventilação (2ª parte)

última atualização: 05/04/00 

  

 

Intubação Orotraqueal

Para o paciente politraumatizado inconsciente, que sofreu traumatismo fechado e que necessita de uma via aérea definitiva, pelos motivos citados à cima, deve-se estabelecer a urgência necessária para a obtenção desta via aérea. Caso esta necessidade não seja imediata, deve-se então, providenciar uma radiografia lateral de coluna cervical, para assegurar a exeqüibilidade da intubação orotraqueal, lembrando que a cabeça e o pescoço devem permanecer alinhados e imobilizados, pois uma radiografia normal de coluna não exclui a existência de lesão coluna cervical.

Caso o paciente esteja em apnéia, deve-se proceder a técnica de intubação orotraqueal por duas pessoas, sendo uma para manter a imobilização manual da região cervical. Em seguida à colocação da sonda, insufla-se o cuff, iniciando-se a ventilação assistida.

A presença de ruídos respiratórios em ambos os campos pulmonares e a inexistência de borborigmos epigástricos sugere a colocação correta da sonda.

A intubação esofageana é detectada pela presença de ruídos gargarejantes epigástrico, assim como, pela distensão epigástrica. A ausência de pressão de dióxido de carbono expiratório final é o método que confirma a intubação esofageana.


Intubação Nasotraqueal

A intubação nasotraqueal é uma técnica útil quando existir fratura de coluna cervical, confirmada ou suspeita, ou quando a urgência de abordagem às vias aéreas contra indica a obtenção de radiografia de coluna cervical, isto ocorre nos pacientes em apnéia, ou quando possuem fraturas graves médio-faciais ou de base de crânio. É indiscutível o alinhamento e imobilização da coluna cervical.

A oclusão esofageana por pressão aplicada sobre a cartilagem cricóide é útil para prevenir a aspiração de vômitos e para oferecer melhor visualização das vias aéreas.

Se as lesões ou as condições do politraumatizado impossibilitam a intubação traqueal, por edema de glote, fratura de laringe ou grande hemorragia orofaríngea; está indicada a obtenção de vias aéreas definitiva por cirurgia, que consisti basicamente da Cricotiroidotomia por agulha e cirúrgica, a Traqueostomia não é preconizada na emergência, devido ao seu tempo de realização prolongado, à difícil execução, além de apresentar grande sangramento.


Via Aérea Definitiva Cirúrgica

Cricotiroidotomia por agulha ou por punção

É feita pela introdução de uma agulha de grosso calibre através da membrana cricotiroidea ou no interior da traquéia, esta manobra fornece oxigênio a curto prazo, mas em baixas quantidades, por isso serve apenas para tirar o indivíduo do perigo de morte e dar-lhe tempo para que se possa providenciar uma via aérea definita.

Nesta situação existe um método de oxigenação que oferece até 45 minutos de tempo extra, este método é chamado de Insuflação em Jato, é obtido com a colocação de uma cânula plástica calibrosa, de diâmetro de #12 a #14 para adulto e #16 a #18 para crianças menores de 12 anos, através da membrana cricotiroidea, abaixo do nível de obstrução. A cânula é então, conectada a uma fonte de oxigênio a 15 litros/minuto, por uma conexão em “Y”; ocorre deste modo, uma insuflação intermitente, um segundo sim e quatro não, a insuflação pode ser obtida pela colocação do polegar sobre a extremidade aberta do conector em “Y”. Nos outros quatro segundos existe uma curta expiração, que por ser insuficiente começa acumular gás carbônico nos pulmões, é isto que limita esta técnica em 30-45 minutos, principalmente nos pacientes com trauma crânio encefálico.

Quando existir suspeita de obstrução completa da região glótica por corpo estranho, a Insuflação em Jato deve ser utilizada com cautela, pois o jato de ar pode tanto expelir o corpo estranho pela faringe, de onde poderá ser retirado, quanto poderá provocar ruptura pulmonar com conseqüente formação de pneumotórax, nestes casos usa se um baixo fluxo de oxigênio de 5 a 7 litros/minuto.

Cricotiroidotomia Cirúrgica

Realizada a partir de uma incisão na pele, que se estende através da membrana cricotiroidea. Uma pinça hemostática curva poderá ser introduzida para dilatar a abertura e em seguida, coloca-se uma cânula endotraqueal de 5 a 7 mm. Este método é contra indicado para crianças menores de 12 anos, pelo seu alto índice de complicação.

Traqueostomia

Sua indicação é precisa, para os pacientes que necessitarem de intubação por longo tempo, neste caso, a Cricotiroidotomia deverá ser substituída por uma Traqueostomia clássica e realizada em condições ideais ou quando não for possível usar uma sonda traqueal após a Cricotiroidotomia por punção.


Esquema de Abordagem das Vias Aéreas

Foi desenvolvido para os pacientes inconscientes em dificuldade respiratória aguda ou apnéia, e que necessita, com urgência imediata de uma via aérea pérvea. Considera-se que estes pacientes possuam lesão de coluna cervical, baseado no mecanismo do trauma ou no exame físico preliminar.

Primeira prioridade: assegurar oxigenação contínua com imobilização de coluna cervical. Isto é alcançado pelas manobras de obtenção e manutenção das vias aéreas.

No paciente apnéico, são necessários dois socorristas, um para imobilização da coluna cervical e o segundo para realizar a intubação orotraqueal; caso exista fratura acima da clavícula, a intubação deve ser a nasotraqueal. Em casos de hemorragia orofaríngea ou edema de glote, está indicada a Cricotiroidotomia por punção ou cirúrgica.

Períodos prolongados de oxigenação e ventilação inadequados ou mesmo ausentes devem ser evitados, para isto é necessário que o socorrista mantenha a oxigenação e ventilação, com AMBU ou máscara de Oxigênio, antes, durante e imediatamente após a obtenção da via aérea definitiva.


Ventilação

Do inglês Breathe (= Respirar), corresponde ao “B” do atendimento inicial ao trauma, este item diz respeito as condições de ventilação e respiração do politraumatizado.

A permeabilidade das vias aéreas apesar de ser o primeiro fator pesquisado no paciente vítima de politrauma, por si só não assegura uma boa ventilação e respiração. Uma boa ventilação envolve um funcionamento adequado dos pulmões, da parede torácica e do diafragma, além de funções adequadas do sistema nervoso central; deste modo, no atendimento inicial após garantir a permeabilidade das vias aéreas, o passo mais importante é pesquisar as condições de ventilação e respiração, para isto, torna-se necessário a exposição completa do tórax, na procura de trauma direto sobre o tórax, especialmente com fratura de costelas, causando dor à respiração. A dor leva a uma respiração rápida e superficial com hipoxemia. Lesões cranianas e de medula também devem ser pesquisadas.

As condições traumáticas mais relacionadas ao comprometimento da respiração são: disparada em primeiro lugar Obstrução das Vias Aéreas, após Pneumotórax Hipertensivo, Pneumotórax Aberto, Hemotórax, Afundamento Torácico com Contusão Pulmonar e Hérnia Diafragmática Traumática.

No exame físico procura-se alteração de caixa torácica, observa-se a expansibilidade da parede torácica se está normal e simétrica, ou se existe a presença de movimento paradoxal. Na palpação, pesquisar crepitações de arcos costais e presença de enfisema subcutâneo. Na ausculta, pesquisar murmúrios vesiculares em todos os campos pulmonares, observando sua simetria.

A cianose é um sinal característico de respiração inadequada, porém em hemorragias volumosas pode estar ausente. Freqüência respiratória maior do que 20 movimentos/minuto também representa comprometimento respiratório.

Todo politraumatizado que se encontra agitado, confuso ou sonolento merece uma atenção especial quando pesquisada sua respiração.

Diagnosticada alteração da respiração, devemos tratá-la de forma rápida e objetiva. O objetivo básico da ventilação é obter uma oxigenação celular máxima, e para isto é necessário vias aéreas permeáveis e uma adequada troca gasosa pulmonar.

As condutas iniciais para solucionar as dificuldades respiratórias são: assistência ventilatória, conseguida através de uma máscara facial com reservatório de oxigênio e um fluxo de 10 a 12 litros/minuto, ou máscara facial com AMBU, neste caso, é recomendado dois socorristas.

As cânulas traqueais ou a Cricotiroidotomia podem substituir a máscara facial. A outra conduta para corrigir os distúrbios ventilatórios é a drenagem da cavidade pleural, usa se drenos tubulares multiperfurados que são introduzidos no 5° espaço intercostal na linha axilar média, esta manobra é utilizada para tratamentode Pneumotórax e Hemotórax.


Oxigenação

Como as alterações da oxigenação ocorrem rapidamente e não são possíveis de serem detectados clinicamente, deve-se considerar a utilização da Oximetria de pulso sempre que forem previstas dificuldades na intubação, trata-se de um método não invasivo de medida contínua de saturação de oxigênio arterial que ajuda muito no tratamento de distúrbios ventilatórios.


Conclusão

Como as alterações respiratórias são as causas mais precoces de morte no trauma, elas devem receber uma atenção especial com um pronto atendimento rápido e eficiente.

Pacientes agitados, confusos ou torporosos com respiração ruidosa, disfonia ou estridor devem ter rapidamente suas aéreas investigadas e desobstruídas, as primeiras condutas estão na elevação do mento ou na tração mandibular, sem nunca esquecer ao alinhamento e imobilização ca coluna cervical. Após isto, é importante colocar cânulas traqueais para garantir a permeabilidade das vias aéreas; caso não seja possível deve-se fazer uma Cricotiroidotomia, sempre ventilando entre as manobras.

Quando desobstruídas pesquisa-se a ventilação, se precisar intervir usa se máscara facial com um fluxo de oxigênio de 10 a 12 litros por minuto.

Caso nada disto resolva, lembre-se das outras causas de distúrbios ventilatórios como Pneumotórax e Hemotórax.


Referências Bibliográficas

1. Avaliação e Atendimentos Iniciais. In: Advanced Trauma Life Support. 1995, p17-38.

2. Rocha,D.L.; Gemperli,R. Abordagem Diagnóstica e Terapêutica no Trauma Buco-Maxilo-Facial. In: Birolini, D. Cirurgia de Emergência 1 ed. São Paulo, Atheneu, 1996.p169-178.

3. UTIYAMA, E.M. Tratamento Inicial do Politraumatizado. In: BIROLINI, D. Cirurgia de Emergência 1 ed. São Paulo, Atheneu, 1996. P148-152.

4. Vias Aéreas e Ventilação. In: Advanced Trauma Life Support. 1995, p47-68.

 

anterior

  índice Traumatologia

Autor

Ac. Rogério Marra
Revisão
Giovanna Negrisoli Koishi


Home Page  -  Livros  -  Matérias  -  Trabalhos Científicos  -  Ausculta Cardio-Pulmonar  -  Enviar Trabalhos  - Links
Agenda Médica
  -  Mapa do Site  -  Quem Somos  -  Fale Conosco  -  Enquetes - Testes Interativos - E-mail

EstudMed.com® 2001-2011 Todos os direitos reservados.