Busca
    >Trabalhos

>Matérias   

Livros   Home Page  •  Ausculta  •  Piadas  •  Enviar Trabalhos  •  Fale Conosco  •  Mapa  •  Quem Somos

 
Sinais e Sintomas Gastro - Intestinais

última atualização: 03/12/00 

  

 

Características da dor abdominal

Dentre as características da dor abdominal é importante reconhecer o modo de seu início. O início abrupto da dor costuma ser bem marcado pelo doente. As principais causas da dor abrupta são a perfuração da úlcera péptica em peritônio livre, a rotura do aneurisma da aorta e seus ramos e outras menos graves, como a chamada cólica biliar e a cólica ureteral. Nas perfurações de vísceras ocas a intensidade da dor diminui progressivamente após a perfuração; quando há sangramento intraperitoneal, a intensidade da dor e do choque que se seguem são progressivos. O grau de dor abdominal e de defesa muscular dependem do comprometimento peritoneal, sendo intensa no AA determinado por víscera perfurada e pouco expressiva, pelo menos de início, na isquemia mesentérica. Por este motivo, o abdome agudo cujo início é rápido e a dor de grande intensidade precisa de uma intervenção mais rápida devido à gravidade das repercussões locais e sistêmicas desencadeadas por afecções como vísceras perfuradas e estrangulamento intestinal. As dores de início rápido, que aumentam de intensidade em minutos, são características de processos inflamatórios como pancreatite aguda, mas também são observadas em outras afecções não menos graves como prenhez ectópica rota e isquemia mesentérica.

As afecções que cursam com dor gradual e contínua evoluem lentamente antes que ocorram graves complicações. Neste grupo encontram-se as afecções inflamatórias e/ou infecciosas, as mais freqüentemente encontradas no abdome agudo, como apendicite aguda, colecistite aguda, a salpingite aguda e a linfadenite mesentérica.


Náuseas e vômitos

No abdome agudo as náuseas e vômitos surgem, em geral, após a dor abdominal, e são de origem reflexa. O reflexo do vômito é desencadeado após os centros medulares do vômito terem sido estimulados por impulsos conduzidos pelas fibras nervosas aferentes do sistema nervoso autônomo. Os vômitos são responsáveis pelo alívio temporário da dor.

Nas obstruções intestinais os vômitos são de início reflexos, e por este motivo o material expelido apresenta características de suco gástrico ou tem restos alimentares. Com o passar do tempo, os vômitos tornam-se biliosos e posteriormente fecalóides, devido à regurgitação do conteúdo intestinal que, impedido de prosseguir, reflui para o estômago. Nas peritonites químicas (suco gástrico, bile, sangue ou urina) ou bacterianas secundárias (perfuração de vísceras ocas ou rotura de abcessos) as náuseas e vômitos são secundários ao íleo adinâmico que se segue.

Além das características do conteúdo, a intensidade e a freqüência dos vômitos são importantes no diagnóstico diferencial dos processos obstrutivos intestinais, sendo mais intensos e mais freqüentes quanto mais proximal for a obstrução. Disso decorre o maior grau de desidratação e hipovolemia observados nas obstruções mecânicas altas, ocorrendo também perda de íons (hidrogênio e cloro das secreções gástricas e sódio e bicarbonato das secreções duodenais perdidas), o que determina com maior facilidade a freqüência de desvios do equilíbrio ácido-básico. Nas obstruções baixas (delgado distal e cólon), os vômitos são mais tardios, geralmente fecalóides e acompanhados a longo prazo de hipovolemia, sem distúrbios ácido-básicos.

No chamado íleo adinâmico, os vômitos são bem menos intensos, sem esforço aparente, sendo conseqüentes à regurgitação do conteúdo do intestino parético para o estômago.

As afecções que provocam náuseas e vômitos em doentes jovens determinam apenas anorexia ou náuseas em crianças e idosos.


Parada de eliminação de gases e fezes

A adinamia do tubo digestivo é conseqüente a reflexo inibidor de sua motilidade, desencadeada pela estimulação de fibras nervosas sensitivas viscerais e do peritônio e cujas vias eferentes são fibras simpáticas.

Esse mesmo reflexo pode ser desencadeado por estímulos extra-peritoneais (cólica nefrética) ou extra-abdominais (afecções pleuro-pulmonares basais). Como resultado desse reflexo, não há eliminação de gases ou fezes e o abdome progressivamente se distende.

Nos processos obstrutivos mecânicos intestinais o obstáculo, em determinada altura do tubo digestivo, dificulta ou impede o trânsito intestinal. Nas obstruções mecânicas parciais (hérnia de Richter, aderências pós-operatórias imediatas, neoplasias suboclusivas dos cólons), ainda há passagem de gases e conteúdo intestinal, o que também pode ocorrer nas obstruções totais pela eliminação de gases e do conteúdo fecal a jusante do obstáculo. Nestas circunstâncias pode ocorrer a falsa diarréia ou diarréia paradoxal, que é a eliminação pelo ânus de muco e conteúdo intraluminal previamente coletado a jusante do obstáculo.

A diarréia abundante, com fezes líquidas, é característica das gastroenterocolites e outras afecções não cirúrgicas. Pode também ocorrer nas obstruções parciais do delgado, quando o conteúdo intestinal estagnado antes da obstrução e com o aumento da população bacteriana, consegue vencer o obstáculo, nesses casos segue-se à diarréia o alívio da crise de dor em cólica.

 

 

       continuação

anterior

  índice Síndromes Abdominais Agudas


Home Page  -  Livros  -  Matérias  -  Trabalhos Científicos  -  Ausculta Cardio-Pulmonar  -  Enviar Trabalhos  - Links
Agenda Médica
  -  Mapa do Site  -  Quem Somos  -  Fale Conosco  -  Enquetes - Testes Interativos - E-mail

EstudMed.com® 2001-2011 Todos os direitos reservados.